Se teria existido uma cultura fascista

Visualizações: 41

Autores

  • Norberto Bobbio Universidade de Turim (In memorian)
  • Suelen Najara de Mello (Tradutora) Universidade Federal do Ceará - UFC - Fortaleza/CE https://orcid.org/0000-0002-7942-920X

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.8361215

Palavras-chave:

Cultura, Fascismo, Historiografia

Resumo

Nestas páginas, Bobbio responde a algumas críticas à sua ideia de que não existiu uma verdadeira cultura fascista, lembrando como a cultura liberal sobreviveu e prosperou durante o fascismo, enquanto este último se alimentou, sem originalidade, de ideias e de teorias surgidas anteriormente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Suelen Najara de Mello (Tradutora) , Universidade Federal do Ceará - UFC - Fortaleza/CE

Pesquisadora colaboradora no Departamento de Letras da Universidade Federal de Viçosa (UFV) e Bolsista da Embaixada Italiana no programa Idiomas sem Fronteiras, da Rede Andifes IsF. Mestranda em Estudos da Tradução na Universidade Federal do Ceará (UFC). Membro do grupo de pesquisa PLIT-ILUFBA

Referências

Extraído da revista Alternative n. 6 - dezembro de 1975. Tradução: Suélen Najara de Melo. Revisão: Erica Salatini, docente UFBA, coordenadora do grupo de pesquisa PLIT-ILUFBA

“...quem faz estas afirmações pensa que um discurso como o meu possa reabilitar o fascismo” (de R. De Felice, lntervista sul fascismo [Entrevista sobre o fascismo], Bari, Laterza, 1975, p. 112).

N. Bobbio, La cultura e il fascismo [A cultura e o fascismo], em AA.VV., Fascismo e società italiana [Fascismo e sociedade italiana], Turim, Einaudi, 1973, p. 229.

N. Bobbio, Le colpe dei padri [As culpas dos pais], em “Il ponte” [A ponte], XXX, n. 6, 30 de junho de 1974, p. 660.

N. Tranfaglia, Dogmatismo ideologico e politica della paura, [Dogmatismo ideológico e Política do medo] em "II Giorno", 27 de novembro de 1974. Do mesmo autor veja também Intellettuali e fascismo. Appunti per una storia da scrivere [Intelectuais e fascismo. Anotações para uma história a ser escrita] em Dallo stato liberale al regime fascista. Problemi e ricerche [Do Estado liberal ao regime fascista. Problemas e pesquisas], Milão, Feltrinelli, 1973, p. 127.

E. Golino, Se la cultura si mette il fez [Se a cultura usa o fez] no “L’Espresso”, XX, n. 51, 22 de dezembro de 1974, p. 69.

M. Isnenghi, Battaglie dentro casa e battaglie d’arresto [Batalhas dentro de casa e batalhas de prisão*] em “Italia contemporanea” [Itália contemporânea], XXVI, n. 117, p. 107.

M. Isnenghi, Per la storia delle istituzioni culturali fasciste [Para a história das instituições culturais fascistas], em "Belfagor", XXX, n. 3, 1975, p. 249, nota 3.

G. Cotroneo concorda, entretanto, com a tese por mim sustentada e defendida, Una cultura inesistente [Uma cultura inexistente], em “Nord e Sud” [Norte e Sul], XXII, Terceira série, n. 3 (245), abril de 1975, pp. 6-20, o qual cita uma passagem de Franco Fortini publicada no “L’Europeo” [O Europeu], XXX, n. 52, 26 de dezembro de 1974, p. 47, que mereceria um longo comentário crítico. Nesta passagem, Fortini escreve que “por estranho que pareça, os fascistas têm um pensamento, uma filosofia, uma cultura, uma grande cultura que participa estreitamente da cultura democrática e antifascista: porque o pensamento de Gentile é a outra face de Croce. Porque a filosofia de Gentile a reencontramos em Hegel”. É de fato verdade que sobre qualquer assunto pode-se dizer tudo e o contrário de tudo. Grande parte do artigo de Cotroneo é dedicado à refutação da tese segundo a qual Hegel teria sido um precursor do fascismo.

A maior parte dos escritos que compõem este debate de vinte anos foi recolhida no volume Liberismo e liberalismo [Liberismo e liberalismo], organizada por P. Solari, Milão-Nápoles, Riccardo Riccardi editor, 1957.

Remeto para maiores detalhes o meu artigo Della sfortuna del pensiero di Cattaneo nella cultura italiana [Sobre o infortúnio do pensamento de Cattaneo na cultura italiana], em Una filosofia militante. Studi su Carlo Cattaneo [Uma filosofia militante. Estudos sobre Carlo Cattaneo], Turim, Einaudi, 1971, p. 204.

E. Colorni, Scritti [Escritos], introdução de N. Bobbio, Florença, La Nuova Italia, 1975.

Veja-o em Scritti [Escritos], cit., pp. 239-242.

Ilustrei este momento dos estudos hegelianos na Itália no artigo Lo studio di Hegel [O estudo de Hegel], no volume Gioele Solari (1872-1952) Testimonianze e bibliografia nel centenario della nascita [Testemunhos e bibliografia no centenário do nascimento], Turim, Academia das ciências, 1972. pp. 37-47.

Downloads

Publicado

19.09.2023

Como Citar

Bobbio , N., & Najara de Mello (Tradutora) , S. (2023). Se teria existido uma cultura fascista . Revista Bindi: Cultura, Democracia E Direito, 2(N. 2), 18–31. https://doi.org/10.5281/zenodo.8361215

Edição

Seção

Lições de Norberto Bobbio