Conservadorismo e fascismo como questões culturais

Visualizações: 64

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.10081106

Palavras-chave:

fascismo, conservadorismo, ideologia

Resumo

Este ensaio faz uma revisão teórica sobre o ideário conservador e apontamentos sobre o fascismo referenciado em Lukács e Chasin, dentre outros. Coloca em perspectiva histórica a emergência e o estranhamento do conservadorismo, examinando, no terreno das relações sociais, o alcance, a profundidade e as suas possibilidades na cultura do país. Constata que o conservadorismo praticamente nasce e se desenvolve com o próprio Brasil, e que, embora não tenha faltado o desejo, o flerte e, talvez, até a oportunidade concreta de surgimento de um aparato fascista de fato, isso não ocorreu, ao menos não até o momento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dr. Diego Fonseca Dantas, Instituto Norberto Bobbio, INB, Brasil.

Doutor em Educação pela UFF e Mestre em Ciência Política pela UFF. Graduado em Administração pela FCPERJ pela Universidade Candido Mendes. Trabalha há 21 anos no mercado de Telecomunicações; é Especialista em Telecomunicações. Pesquisador do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Filosofia, Política e Educação - NuFIPE e do Instituto Norberto Bobbio

Referências

ALBUQUERQUE, M. M. Pequena história da formação social brasileira. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1981.

BOBBIO, N.; MATTEUCCI, N.; PASQUINO, G. Dicionário de política. v. 1. 13ª ed. Brasília: Editora UNB, 2010.

BURKE, E. Reflexões sobre a Revolução na França. Campinas: Vide editorial, 2017.

CONSTANT, B. Princípios de política Aplicáveis a todos os governos. Rio de Janeiro: TOPBOOKS, 2007.

CUNHA, L. A. O ensino de ofícios artesanais e manufatureiros no Brasil escravocrata. 2ª ed. São Paulo: Editora UNESP; Brasília: FLACSO, 2005a.

DANTAS, D. F. História e Consciência de Classe. Lukács e uma Abordagem Dialética do Partido Para Além do Proletariado. Niterói: UFF, PPGCP, 2014.

ERCORSIN NETTO, L. O conservadorismo clássico. Elementos de caracterização e crítica. São Paulo: Cortez, 2013.

FERLINI, V. L. A. Perspectivas de Pesquisas de critérios de organização empresarial e de mentalidades econômicas no Período Colonial. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 11, n. 22, mar./ago. 1991.

FERNANDES, F. A revolução Burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. 5ª ed. São Paulo: Globo, 2006.

FURTADO, C. A formação econômica do Brasil. 34º ed. São Paulo: Companhia das letras, 2007.

KONDER, L. Introdução ao fascismo. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

LESSA, C. Rio de todos brasis. Rio de Janeiro: Record, 2001.

LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social II. São Paulo: Boitempo, 2013.

LUKÁCS, G. Conversando com Lukács. Entrevista a Leo Kofler, Wolfgang Abendroth e Hans Heinz Holz. 1ª ed. São Paulo: Instituto Lukács, 2014.

__________. Anotações sobre o materialismo burguês. Revista Crítica Marxista, São Paulo, n. 31, p. 133-138, 2010.

__________. História e Consciência de Classe: estudos sobre a dialética marxista. 2ª ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012.

________________. El asalto a la razón. La trayectoria del irracionalismo desde Schelling hasta Hitler. México, DF: Ediciones Grijalbo, 1968.

MARX, K. Grundrisse. São Paulo: Boitempo, 2011.

________. O manifesto comunista. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

________. Crítica da filosofia do direito de Hegel. São Paulo: Boitempo, 2010.

OLIVEIRA, F. Crítica à razão dualista: ornitorrinco. 1ª ed. São Paulo: Boitempo, 2013.

PRADO JÚNIOR, Caio. Formação do Brasil Contemporâneo. 7 ed. São Paulo: Brasiliense, 1963.

PRIORE, M. Histórias da gente brasileira. São Paulo: Leya, 2016.

REIS, R. R. La violencia como mercancía. In: REIS, R. R.; et al. (orgs.). Tiempos violentos. Barbarie y decadencia civilizatoria. Buenos Aires: Herramienta, 2014.

SAMARA, E. M. Patriarcalismo, família e poder na sociedade brasileira (séculos XVI-XIX). Revista Brasileira de História, São Paulo, v.11, n. 22, mar/ago. 1991.

SCHWARCZ, L. Sobre o autoritarismo brasileiro. Rio de janeiro: Companhia das letras. 2019.

SODRÉ, N. W. Síntese de história da cultura brasileira. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

TOCQUEVILLE, A. de. O Antigo Regime e a Revolução. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

VIANNA, O. Populações meridionais do Brasil. São Paulo: Monteiro Lobato & Cia, 2005.

Outras fontes

GUERRAS do Brasil.doc. Direção: Luiz Bolognesi. Produção: Luiz Bolognesi. Netflix. 2019. Tempo de duração. 60min.

Downloads

Publicado

12.12.2023

Como Citar

Fonseca Dantas, D. (2023). Conservadorismo e fascismo como questões culturais. Revista Bindi: Cultura, Democracia E Direito, 2(3), e2320232. https://doi.org/10.5281/zenodo.10081106